Comitê americano condena parceria entre governo Trump e Bolsonaro

Documentos do Incra indicam suspensão de reforma agrária
9 de janeiro de 2019
Após impasse, Bolsonaro confirma Vilalva na presidência da Apex
11 de janeiro de 2019
Exibir tudo

Carga Química Embalada - Um grupo de membros do Comitê de Relações Exteriores da Câmara dos Deputados dos EUA enviou uma carta crítica ao secretário de estado norte-americano, Mike Pompeo, questionando sua relação com o governo Bolsonaro.

Seguro - O documento condena declarações de Bolsonaro aos direitos humanos, em especial às comunidades LGBT, indígena e afro-brasileira.  Assinado pelo deputado Eliot L. Angel, presidente da Comissão, e mais cinco congressistas,  o texto expressa preocupação no enfraquecimento do compromisso dos EUA com a democracia e os direitos humanos no país.

Serviços Aeroportuários - Em trecho da carta, Comitê se diz “perplexo” pela forte parceria entre a administração Trump e o Brasil, e pede que Pompeo levante objeções públicas e privadas sobre o comportamento de Bolsonaro, que em seus primeiros dias de mandato “tomou uma série de ações que mira grupos marginalizados”. 

Responsabilidade Social - “Ficou imediatamente claro que declarações passadas do presidente Bolsonaro não mais se limitam à retórica”, afirma o democrata Eliot L. Engel.

Infraestrutura - Mike Pompeo compareceu a cerimônia de posse do presidente Bolsonaro, assim como elogiou a ideia de instalar uma base americana no Brasil. Em uma reunião com o diplomata Ernesto Araújo, o secretário americano chegou a discutir possível parceria sobre a crise na Venezuela e formas de reforçar as relações econômicas entre os países.

Cargas Urgentes - Em uma entrevista à TV, o presidente disse que tem “pré-acertada” uma visita aos EUA em março para se reunir com o presidente Trump – que após o resultado das eleições presidenciais de 2018,  parabenizou Bolsonaro pela vitória e disse ter tido “uma ótima conversa por telefone”.

Unidades - “Tive uma ótima conversa com o recém-eleito presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, que ganhou as eleições por uma margem substancial. Concordamos Brasil e EUA trabalharão estreitamente em matéria comercial, militar e tudo mais. Excelente conversa, dei os meus parabéns”.

Veja carta na íntegra:

Serviços - Prezado Sr. Secretário:

Trânsito Aduaneiro - Observamos com grande interesse sua recente visita ao Brasil para a inauguração do presidente Jair Bolsonaro, que, em seus primeiros dias no governo, realizou uma série de ações voltadas a grupos marginalizados, particularmente LGBT, indígenas e afro-brasileiros. Tornou-se imediatamente claro que as preocupantes declarações passadas do Presidente Bolsonaro sobre direitos humanos não estão mais confinadas à retórica.

Serviços Aeroportuários - Ficamos intrigados com o fato de que, após a reunião com o Presidente Bolsonaro, uma leitura do Departamento de Estado explicou que você “reafirmou a forte parceria EUA-Brasil, enraizada em nosso compromisso comum com democracia, educação, prosperidade, segurança e direitos humanos”. Não está claro se o Presidente Bolsonaro compartilha esses valores. Se a administração Trump está de fato comprometida com essa parceria, sugerimos fortemente que você não encare o comportamento de Bolsonaro, mas levantará objeções públicas e privadas a essas ações recentes.

Institucional - Em 2013, o presidente Bolsonaro declarou que estava “orgulhoso de ser homofóbico” e “preferia ter um filho que é viciado do que um filho que é gay”. Dois anos antes, ele disse que “preferiria que seu filho morresse acidente de carro do que ser gay. ”Infelizmente, o antagonismo do Presidente Bolsonaro em relação à comunidade LGBT estava em plena exibição em suas primeiras horas no cargo quando ele excluiu indivíduos  LGBT daqueles grupos que seriam protegidos por um novo Ministério dos Direitos Humanos.

Terminal de Containers - A transferência de responsabilidades do presidente Bolsonaro, que delineia territórios indígenas e terras reservadas para descendentes de ex-escravos do Ministério da Justiça para o Ministério da Agricultura – em grande parte controlados por aqueles ligados à indústria agroindustrial do país – também é extremamente preocupante. Como a Associated Press escreveu, essa decisão “provavelmente tornará praticamente impossível que novas terras sejam identificadas e demarcadas para as comunidades indígenas”.

Pessoas - Apreciamos a importância de trabalhar com parceiros nas Américas, como o Brasil, para promover os direitos humanos e a democracia na Nicarágua, Venezuela e Cuba. Ao mesmo tempo, é essencial que os Estados Unidos continuem a defender a natureza universal dos direitos humanos falando quando os direitos de qualquer grupo marginalizado estão comprometidos.

Drogas & Bebidas Alcoólicas - Pedimos que você fique ao lado do povo do Brasil e das Américas e se mantenha fiel ao seu compromisso declarado em relação aos direitos humanos no Brasil, opondo-se às recentes ações do Presidente Bolsonaro.

Institucional - Obrigado por sua atenção a este assunto urgente. Estamos ansiosos para ouvir de você.

Carga Química Embalada - Atenciosamente,

Seguro - Eliot L. Engel                                                           
Presidente                                                                
House Household Affairs Committee

REDEX - Albio Sires     
Membro do Congresso

Segurança - Gregory W. Meeks                                                      
Membro do Congresso                

Notícias - David N. Cicilline 
Co-Presidente 
LGBT Equality Caucus

Transporte de Fármacos - Lois Frankel                                                             
Co-Presidente do                                                                 
Comitê Parlamentar para Questões da Mulher

Gelog - Joaquin Castro 
Membro do Congresso

 (reprodução/Divulgação)

Grupo Gelog -

 (reprodução/Divulgação)

Fonte: https://exame.abril.com.br/mundo/comite-americano-condena-parceria-entre-governo-trump-e-bolsonaro/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *