Destaque

04/12/2017 - RODOANEL FICARÁ PRONTO EM 2018 AO CUSTO DE 26 BILHÕES..

Saiba mais

Notícias e Destaques - Gelog

Os tipos de embarcações que passsam no Porto de Santos


Para ser transportado, cada tipo de carga demanda um modelo específico de navio. Portanto, portos que movimentam várias espécies de mercadorias devem estar preparados para receber as mais diferentes embarcações. É o caso do Porto de Santos, o principal do País.

O complexo marítimo é o destino dos mais diversos tipos de navios, de pequeno ou grande porte. E já trabalha para as escalas de cargueiros ainda maiores. Para isso, prepara a ampliação e o aprofundamento de seus acessos aquaviários, com a escavação dessas vias para a retirada de sedimentos – trabalho feito por um dos tipos de embarcação que vem à região, as dragas, projetadas especificamente para tal tarefa.

Tratando especificamente dos navios cargueiros, os maiores são os graneleiros e os conteineiros. Os primeiros transportam cargas soltas, sólidas ou líquidas, vegetais ou minerais. São eles que trazem e levam de Santos carregamentos de açúcar, soja, milho, fosfatos, sal e carvão, além de compostos químicos, petróleo e seus derivados, etanol e suco de laranja. No caso do embarque e desembarque de líquidos, recebem o nome de navios-tanque ou tanqueiros.

Já os porta-contêineres ou conteineiros são fabricados para levar cargas armazenadas nos tradicionais contenedores. Nos mais modernos, os porões contam com guias e celas, de modo a melhor acomodar os contêineres. Esse modelo de embarcação é o que mais cresce no mercado. Atualmente, teve início a construção de navios para mais de 20 mil TEU (unidade equivalente a um contêiner de 20 pés).

Outro tipo de cargueiro são os ro-ro, caracterizados pelas rampas instaladas em sua lateral ou na parte de trás (popa). É por elas que as cargas, carregadas em caminhões, são embarcadas ou desembarcadas. Esse tipo de operação é chamada, em inglês, de roll-on roll-off, o que deu origem ao termo ro-ro.

O Porto ainda recebe navios de passageiros, como os utilizados para viagens longas (os de cruzeiros) e os destinados a pequenos deslocamentos (como os catamarãs da Dersa e as catraias, que fazem a travessia entre as margens do estuário). E há os de recreio e esportivos, como lanchas e iates.

Santos também reúne embarcações reservadas para serviços de apoio à atividade portuária, como os rebocadores – projetados para empurrar ou puxar cargueiros durante sua atracação ou desatracação – e os supply boats, que levam equipamentos e mantimentos para plataformas de petróleo.
Fonte: A Tribuna - Porto & Mar