Reeleição dá fôlego a Netanyahu e leva Trump a apressar seu plano de paz

Bolsonaro janta hoje com embaixadores de países muçulmanos
10 de abril de 2019
Outro estudante é investigado por incitar ataque em escola de Suzano
12 de abril de 2019
Exibir tudo

Unidades - Jerusalém — A vitória de Binyamin Netanyahu para um quinto mandato como primeiro-ministro de Israel levantou duas discussões importantes no país: as negociações de paz com os palestinos e a própria sobrevivência do líder no cargo, uma vez que ele enfrenta uma série de denúncias de corrupção. Netanyahu e seu partido, o Likud, venceram apesar de terem conquistado 35 cadeiras no Parlamento, o mesmo número que o principal oponente, Benny Gantz.

Clientes - Interligados, os dois temas pesarão nas negociações que devem levar a uma coalizão de direita, como prometeu o premiê na campanha. Para ter sucesso, analistas estimam que Netanyahu cumprirá a promessa de expandir a soberania israelense sobre partes ocupadas do território da Cisjordânia para fechar um acordo com os parceiros de coalizão.

Infraestrutura - Em contrapartida, a nova maioria no Knesset favorável a ele tende a mudar uma lei para beneficiá-lo com imunidade nas acusações de corrupção e suborno. “Esses dois objetivos poderiam ser resumidos como imunidade em troca de soberania”, analisou o jornalista israelense Aluf Benn no Haaretz.

Serviços Portuários - O presidente dos EUA, Donald Trump, felicitou Netanyahu e disse que sua vitória abre uma possibilidade de negociação de paz com os palestinos. O genro e assessor de Trump, Jared Kushner, e a Casa Branca anteciparam em março que planejavam publicar depois das eleições em Israel um plano de paz entre israelenses e palestinos.

Notícias - Espera-se que o plano que Kushner vem preparando há quase dois anos aborde os temas mais espinhosos no conflito, entre eles o estabelecimento de fronteiras. Mas seu futuro é incerto, uma vez que os palestinos rejeitam negociar com os EUA depois do reconhecimento americano de Jerusalém como capital de Israel, em 2017. Além disso, novas anexações na Cisjordânia enterrariam a solução de dois Estados desejada pelos palestinos. Não está claro se a proposta americana incluiria a troca de territórios.

Tecnologias - Segundo o Haaretz, o futuro líder da ultra direita e da coalizão no próximo Knesset Bezalel Smotrich deixou claras as condições para o premiê. Para garantir uma legislação que praticamente enterraria a investigação contra Netanyahu, ele terá de coordenar o que chamou de “acordo do século” com Trump, de maneira que Israel declare soberania sobre os assentamentos e garanta que nenhum colono seja despejado.

“Rei Bibi”

Trânsito Aduaneiro - As eleições de terça-feira parecem ter sido uma prova do respaldo em Israel de Netanyahu, de 69 anos, apesar das graves acusações de corrupção que enfrenta e do impacto que um quinto mandato teria para o processo de paz com os palestinos. No dia 11, o premiê afirmou que Israel era “o Estado do povo judeu” e não de “todos seus cidadãos”, o que despertou fortes críticas em um país onde 20% da população é árabe.

Notícias - No sistema eleitoral proporcional de Israel, nenhum partido jamais obteve a maioria das cadeiras do Parlamento. As principais formações fecham alianças para conseguir 61 das 120 vagas da Casa. Com quase a totalidade dos votos apurados, os números indicavam que o Likud e um grupo de partidos aliados da direita terão 65 cadeiras, o suficiente para consolidar a maioria e formar o novo governo.

Segurança - Durante a campanha, Gantz, da coalizão de centro Azul e Branco, liderou as pesquisas. Netanyahu se esforçou para obter o respaldo de toda a ala de direita. Nos últimos dias de campanha, ele esteve ao lado do presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, do russo Vladimir Putin e do próprio Trump, que declarou reconhecer as Colinas do Golan como parte de Israel. A região faz parte da Síria. (Com agências internacionais).

Termina apuração de votos, mas há irregularidades

Meio Ambiente - O Comitê Eleitoral Central de Israel encerrou nesta quinta-feira a contagem dos votos das eleições realizadas anteontem, que foram adiadas por conta dos votos dos militares, diplomatas e presos, entre outros, mas anunciou que existem irregularidades.

Institucional - Nos dados divulgados no site oficial do comitê não coincide a soma de votos obtidos por cada partido (4.291.707) com o total de votos válidos emitidos de 4.231.424, com uma diferença de 60.283 cédulas.

Serviços Aeroportuários - O comitê informou que investiga a disparidade, enquanto o partido Nova Direita, do ministro de Educação, Naftali Benet, e da ministra da Justiça, Ayelet Shaked – que poderia ficar fora da Câmara por um décimo ou entrar com quatro cadeiras – pede uma recontagem dos votos.

Serviços Aeroportuários - A apuração dos votos de soldados, diplomatas, emissários da Agência Judia, marinheiros, mulheres protegidas em refúgios, presos e doentes em hospitais terminou, informou o comitê.

Frota - O órgão acrescentou que “como tem sido feito durante toda a campanha eleitoral, o processo de verificação e controle de dados introduzidos no sistema começou antes de os resultados serem divulgados”, sem especificar o motivo das irregularidades.

Tecnologias - “Em vista dos resultados tão próximos e a importância de cada voto que pode causar oscilações na distribuição dos mandatos, e para preservar a pureza do pleito, o Comitê Eleitoral anuncia que a inspeção continua”, se limitou a informar o comitê.

Serviços Aeroportuários - De acordo com a lei eleitoral, os resultados oficiais devem ser divulgados nos oito dias seguintes à votação e estes podem ser apelados ao Tribunal de Distrito que atua como Tribunal Administrativo até o dia 1 de maio.

Trânsito Aduaneiro - Segundo os últimos dados, tanto o Likud, do primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, como o partido Azul e Branco de Beni Gantz teriam obtido 35 assentos no Parlamento, mas o primeiro tem mais opções para criar uma coalizão de direita para formar um governo

Administração - Mas, minutos antes de ser anunciado o final da apuração, o partido de Benet tinha quatro cadeiras e os assentos dos dois grandes partidos tinham caído para 34.

Gerenciamento de Risco - Não se espera que as possíveis mudanças alterem o fato de que Netanyahu tenha a melhor posição para formar governo, mas sim poderia mudar as negociações para formar coalizão e a força negociadora dos pequenos partidos necessários para formá-la.

Fonte: https://exame.abril.com.br/mundo/reeleicao-da-folego-a-netanyahu-e-leva-trump-a-apressar-seu-plano-de-paz/

Os comentários estão encerrados.